Novembro 2017
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Como recuperar ou restaurar o GRUB do Fedora

 O GRUB (GRand Unifield Bootloader) é o gerenciador de inicialização padrão da grande maioria das distribuições Linux, criado pelo Projeto GNU. Ele é o responsável por iniciar um dos vários sistemas operacionais instalados no(s) disco(s) rígido(s) em um computador ou selecionar uma configuração específica de Kernel disponível numa determinada partição.

 Uma coisa comum que muitas pessoas ainda fazem hoje em dia é o famoso "dual boot", principalmente por quem só utilizava o Windows e decidiu testar alguma distribuição Linux. Ao instalar, por exemplo, o Fedora, o GRUB irá substituir o gerenciador de inicialização do sistema presente no disco rígido e passar a ser o gerenciador de inicialização principal. Porém, se utiliza Windows juntamente com o Fedora e, por algum motivo, necessite formatar/reinstalar o mesmo, você não poderá mais acessar o Fedora (já que o Windows substitui o GRUB pelo seu próprio gerenciador de boot, porém, este não "reconhece" outros sistemas que não sejam da Microsoft).

 Além disso, você também poderá enfrentar problemas para iniciar o seu computador após, por exemplo, uma atualização mal sucedida do Kernel Linux ou uma configuração errada feita por um software, como o GRUB Customizer, resultando na tela abaixo ao reiniciar:

Tela de recuperação do GRUB (grub rescue)

 Nessa hora, a solução (na maioria dos casos) é recuperar e/ou restaurar o GRUB, e é isso que você vai aprender neste tutorial, tanto em computadores mais "recentes" equipados com UEFI quanto em computadores "antigos", equipados com BIOS. Vamos lá então?!

Os principais tópicos deste tutorial:

Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Como instalar passo a passo o Fedora 27 Workstation no seu computador

 A versão final do Fedora 27 foi anunciada na semana passada (dia 14 de novembro de 2017), tendo como "base" o Linux Kernel 4.13 e o ambiente de área de trabalho GNOME 3.26.2 "Manchester", além de várias atualizações de software e componentes, como o Mozilla Firefox 57 (Quantum), a suíte de escritório LibreOffice 5.4, OpenJDK 9 e o GCC 7.2, dentre outras.

 Para conferir todos os detalhes sobre o Fedora 27 basta acessar os links abaixo:


   Confira também: Como atualizar do Fedora 26 para o Fedora 27

 Como é de praxe, preparamos mais um passo a passo completo de instalação do Fedora, voltado principalmente aos iniciantes no Linux e/ou às pessoas que decidiram migrar do Ubuntu, Debian ou outra distribuição para o Fedora. Tire um tempo livre para lê-lo com calma, pois contém vários detalhes que, se não executados da maneira correta, podem impedir que o seu sistema dê boot, ok?!
Utilizamos a ISO de 64 bits do Fedora 27 Workstation com o desktop GNOME neste tutorial, além do Oracle VM VirtualBox na versão 5.2.0 para esta instalação, onde já estava instalado o Windows 10 Pro (com o recurso EFI habilitado nas configurações) num disco rígido "virtual" de 50GB e 2 GB de memória RAM. Apesar disso, os procedimentos abaixo podem ser executados em computadores com ou sem UEFI e fazendo ou não dual boot.
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Como atualizar do Fedora 26 para o Fedora 27 Workstation

 A poucos dias atrás foi lançado o Fedora 27, trazendo várias melhorias, correções de erros e novidades, dentre elas estão o ambiente de área de trabalho GNOME 3.26.2 e o Firefox 57 Quantum Beta. Com isso, muitos usuários que utilizam o Fedora 26 já planejam instalar a mais recente versão, antes mesmo do término do suporte.

 Além do método mais "comum", que é reinstalar o sistema do zero, o Fedora também conta com um processo de atualização simplificado, o que facilita (e muito) a vida dos usuários, e é isto que você vai aprender neste tutorial!

  Tutorial testado no Fedora 26 Workstation (64 bits), com ambiente de área de trabalho GNOME.






Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!

 Na última terça feira, dia 14 de novembro de 2017, foi anunciado a mais nova versão do Fedora, tendo como base o Kernel 4.13 e trazendo várias novidades, dentre elas estão o suporte a UEFI de 32 bits e a implementação do Pipewire (que é um novo projeto para gerenciamento de áudio e vídeo no Linux), bem como as versões mais recentes dos aplicativos, como o Mozilla Firefox 57 "Quantum" e o LibreOffice 5.4. Para conferir o que há de novo no Fedora 27 acesse este link.

 E para ajudar os iniciantes, preparamos algumas dicas do que fazer após instalar o Fedora 27 Workstation, como habilitar o Delta RPM (o que pode diminuir em mais de 50% o volume de atualizações a serem baixadas), os codecs e players multimídia como o VLC e o Audacious, o OpenJDK e o Oracle JRE/JDK, navegadores populares como o Chromium, Google Chrome, Opera, Vivaldi, além do Adobe Flash Player e várias outras "melhorias".

  Tutorial testado no Fedora 27 Workstation (64 bits), com ambiente de área de trabalho GNOME 3.26.2.
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Lançado o Fedora 27 Workstation, confira as novidades e faça o download!

 Com pouco mais de 4 meses de desenvolvimento, o Projeto Fedora anunciou hoje, dia 14 de novembro de 2017, a versão final do Fedora 27, trazendo várias melhorias e novos recursos. O Fedora é uma distribuição comunitária patrocinada pela Red Hat e que conta com um suporte de aproximadamente 13 meses.

 O Fedora 27, na sua edição "Workstation" (voltada para computadores pessoais), chega com a versão mais recente do GNOME Shell, a 3.26 "Manchester". Dentre as novidades do GNOME 3.26 está o novo design da Central de Controle, que substitui a antiga grade de ícones por uma barra lateral, a pesquisa do sistema agora mostra mais resultados ao mesmo tempo (incluindo as opções de desligar, encerrar a sessão e alternar usuários) e suporte ao compartilhamento de pastas no GNOME Boxes.
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!

 O Dolphin é um emulador de Nintendo GameCube e Nintendo Wii de código aberto (sob a licença GNU General Public License versão 2.0) e multiplataforma, disponível para as versões de 64 bits do Linux e Windows, além do macOS e dispositivos móveis com Android 5.0 (Lollipop) ou superior. Com ele é possível executar a grande maioria dos jogos lançados para os dois consoles em alta definição com várias melhorias e funcionalidades que não estão presentes nos mesmos, como a compatibilidade com todos os controles de PC (incluindo o próprio controle do GameCube via adaptador USB, bem como o Wiimote e Wii MotionPlus via Bluetooth), multiplayer em rede, velocidade turbo e muito mais.

 Para mais detalhes a respeito do Dolphin e todas as suas funcionalidades, acesse os links abaixo:

  LISTA COMPLETA DOS JOGOS COMPATÍVEIS COM O DOLPHIN

 Vamos então ao passo a passo de instalação do Dolphin Emulator no openSUSE e no Fedora Workstation, que é bem simples e rápido!
  Tutorial testado no openSUSE Tumbleweed, openSUSE Leap 42.3 e no Fedora 27 Workstation.
  O Dolphin não deve ser utilizado para emular os jogos que você não possui legalmente. Você pode comprar os jogos para o Wii / GameCube e extrair a ISO no seu computador, no seu próprio console, no console de um amigo ou de outra pessoa. Baixar ISOs de jogos comerciais é ilegal e os desenvolvedores do Dolphin não aprovam essa atitude.
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Veja como instalar o Oracle JDK 9 no Ubuntu, Linux Mint e distribuições derivadas via PPA

 Veja, nesta dica rápida, como instalar a versão mais recente do Oracle Java 9 no Ubuntu, Linux Mint e sistemas derivados via repositório PPA.

 Java é uma linguagem de programação multiplataforma orientada a objetos, desenvolvida na década de 90 por James Gosling, na Sun Microsystems (adquirida pela Oracle em 2009).
 Diferente das linguagens de programação convencionais (que são compiladas para código nativo), a linguagem Java é compilada para um bytecode que é executado por uma máquina virtual. A linguagem de programação Java é a linguagem convencional da Plataforma Java, mas não é a sua única linguagem.

 Recentemente a Oracle disponibilizou a versão estável do Java 9, trazendo, dentre outras novidades a modularização da plataforma, tornando-a mais escalável e flexível. Um outro ponto curioso é o novo esquema de versionamento, sendo que uma nova versão do Java será lançada a cada 6 meses e o número das próximas versões terá como "base" o ano e o mês de lançamento (semelhante ao do Ubuntu). Com isso, o sucessor do Java 9 será o Java 18.3, com o lançamento previsto para março de 2018, na sequência, em setembro de 2018, será lançado o Java 18.9 e assim por diante. Para conhecer todos os detalhes do Oracle Java 9, acesse os links abaixo:


Confira também:

  Aprenda a instalar manualmente o Oracle Java (JRE) no Ubuntu

 Neste tutorial você vai aprender a instalar facilmente o ambiente de desenvolvimento do Java 9 (JDK 9) no seu Ubuntu, Linux Mint e outras distribuições derivadas via repositório PPA.

  Tutorial testado nas versões de 64 bits do Ubuntu 16.04.3 LTS (Xenial Xerus), Ubuntu 17.10 (Artful Aardvark) e no Linux Mint 18.2 "Sonya".

Removendo o OpenJDK do sistema (opcional)

 É provável que você já tenha o ambiente de execução do OpenJDK, o Java de código aberto, instalado no seu sistema, que funciona perfeitamente para a maioria das pessoas. Mesmo que queira utilizar o Oracle Java 9, é possível manter o OpenJDK instalado no seu sistema, porém, caso queira removê-lo, abra um terminal e execute o comando abaixo:

sudo apt-get remove openjdk-*-jre

 Se você possui o ambiente de desenvolvimento do OpenJDK instalado, remova-o com:

sudo apt-get remove openjdk-*-jdk

 Tudo pronto, vamos para o próximo passo.






Instalando o Oracle Java 9 no Ubuntu e Linux Mint via PPA

 Antes de começar, recomendo que instale todas as atualizações disponíveis para o seu sistema, basta executar no terminal:

sudo apt-get update && sudo apt-get upgrade

 Feito isso, adicione o repositório PPA do projeto Web Upd8 com o comando:

sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/java

 Atualize a lista de repositórios:

sudo apt-get update

 E instale o ambiente de desenvolvimento do Oracle Java 9 (que inclui também o ambiente de execução, o JRE 9) com:

sudo apt-get install oracle-java9-set-default

 Será exibido uma mensagem informando que é necessário aceitar o Acordo de Licença para poder utilizar o Oracle JDK, apenas tecle Enter para continuar:

Acordo de Licença do Oracle Java 9

 Na tela seguinte, selecione a opção "Sim" para aceitar o Acordo de Licença (utilizando as teclas direcionais) e tecle Enter para confirmar, como mostrado pela imagem abaixo:

Aceite o Acordo de Licença do Oracle Java 9 selecionando a opção "Sim" e pressionando "Enter" em seguida

 Após, será feito o download do Oracle Java 9 (pouco mais de 300MB) e, em seguida, a instalação do mesmo:

Aguarde enquanto é feito o download e instalação do Oracle Java 9 (JDK 9)

 Concluído o processo, verifique se o Java 9 foi instalado corretamente executando:

java -version

 Caso ele tenha sido instalado com sucesso, a saída do comando será semelhante a esta abaixo:

sandro@ubuntu-desktop:~$ java -version
java version "9.0.1"
Java(TM) SE Runtime Environment (build 9.0.1+11)
Java HotSpot(TM) 64-Bit Server VM (build 9.0.1+11, mixed mode)

 Fácil, não é?!


Como remover o Oracle Java 9 do sistema?

 Não quer mais utilizar o Oracle Java 9 e deseja desinstalá-lo? Então abra um terminal e execute o comando abaixo:

sudo apt-get remove oracle-java9-installer oracle-java9-set-default

 Caso também queira remover do seu sistema a PPA do Web Upd8, basta executar:

sudo rm /etc/apt/sources.list.d/webupd8team-ubuntu-java-*.list

 E só!


 Caso tenha alguma dúvida, sugestão ou crítica a respeito deste tutorial, basta deixar o seu comentário logo abaixo, ou se preferir, entre em contato conosco!

 Obrigado pela visita e até o próximo tutorial!


Referências:

Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Instalando o Oracle VM VirtualBox no openSUSE Leap

 O Oracle VM VirtualBox é um poderoso software de virtualização multiplataforma para empresas e usuários domésticos. Com ele é possível virtualizar os mais variados sistemas operacionais, como o Windows e sistemas Unix-like, como o FreeBSD e TrueOS; a lista completa dos sistemas operacionais suportados você pode conferir neste link.

 O VirtualBox não é apenas um produto rico em funcionalidades de alto desempenho, mas é a única solução profissional de código aberto disponível gratuitamente, sobre os termos da licença GNU General Public License versão 2 (GPLv2).

 Para saber mais sobre o Oracle VM VirtualBox e todos as suas funcionalidades basta acessar o site oficial:

  ACESSE O SITE OFICIAL DO VIRTUALBOX

 Vamos então ao passo a passo de instalação do VirtualBox no openSUSE Leap!

  Tutorial testado no openSUSE Leap 42.3 e 42.2, com ambiente de área de trabalho GNOME.