Maio 2017
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Lançado o KDE Plasma 5.10!

 Após vários meses de desenvolvimento, o Projeto KDE anunciou hoje, dia 30 de maio de 2017, a mais nova versão do ambiente de área de trabalho do KDE, o Plasma 5.10, trazendo várias novas funcionalidades, dentre elas está a integração da Central de Aplicativos do KDE, o "Discover", com os pacotes Flatpak e Snappy, além do suporte ao GNOME Open Desktop Ratings, para que os usuários possam enviar as suas avaliações e comentários sobre os aplicativos instalados (substituindo o antigo sistema de revisões do Ubuntu - Ubuntu popularity contest).

 Esta versão também traz habilitado por padrão a Visualização de Pastas na área de trabalho ao invés do widget de pastas, que era usado até então.

Visualização de pastas na área de trabalho do KDE Plasma 5.10
As pastas aparecerão na área de trabalho, não mais em um widget

" Depois de alguns anos evitando os ícones na área de trabalho, aceitamos o inevitável e mudamos para a visualização de pasta como a área de trabalho padrão, que traz alguns ícones por padrão e permite aos usuários colocar os arquivos ou pastas que quiserem acessar facilmente.", diz o anúncio oficial.

 E não é só isso, confira mais algumas novidades do KDE Plasma 5.10:
  • O Gerenciador de Tarefas recebeu melhorias, como o suporte para agrupar e desagrupar aplicativos através do clique com o botão do meio do mouse (EXEMPLO);
  • Controles multimídia foram adicionados na tela de bloqueio (EXEMPLO);
  • A pesquisa do Plasma na Central de Aplicativos (KRunner) sugere a instalação de aplicativos que não estão instalados (EXEMPLO);
  • Adicionado um teclado virtual na tela de login e de bloqueio (EXEMPLO).

 Também foram feitas algumas melhorias em relação ao servidor gráfico Wayland, como a capacidade do Gerenciador de Janelas KWin ajustar a escala da tela em diferentes níveis, caso tenha um monitor HiDPI e uma tela DPI normal. Confira todas as novidades presentes no KDE Plasma 5.10 acessando o anúncio oficial:

  https://www.kde.org/announcements/plasma-5.10.0.php?site_locale=en (Inglês)
  https://www.kde.org/announcements/plasma-5.10.0.php?site_locale=pt (Português)

 Ou através da lista completa de alterações, acesse:

  https://www.kde.org/announcements/plasma-5.9.5-5.10.0-changelog.php

 Assista também o vídeo oficial, mostrando as principais novidades presentes no KDE Plasma 5.10:







Como posso testar o KDE Plasma 5.10?

 Se você é usuário de alguma distribuição Rolling Release, como, por exemplo, o Arch Linux, KaOS e openSUSE Tumbleweed, o KDE Plasma 5.10 estará disponível em breve nos repositórios oficiais, mas, caso não queira esperar, poderá experimentar essa nova versão através de uma imagem ISO disponibilizada pelo projeto KDE Neon, acesse:

  https://neon.kde.org/download

 Uma outra opção é utilizar a imagem ISO fornecida pelo projeto openSUSE Krypton, acesse:

  http://download.opensuse.org/repositories/KDE:/Medias/images/iso/?P=openSUSE_Krypton.*.iso


 E você, o que achou desta nova versão do KDE Plasma? já fez o teste? Conte-nos sobre a sua experiência logo abaixo nos comentários!
 Aproveite e cadastre-se para receber todas as novidades do Blog Opção Linux no seu e-mail, ou siga-nos no Google+, no Twitter ou na nossa página no Facebook! :)

 Muito obrigado pela visita e até o próximo tutorial!


Referências:

Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Ativando ou desativando o SELinux no Fedora e no CentOS

Aprenda, nesta dica, a habilitar ou desabilitar o SELinux no Fedora e no CentOS.

 Já não é novidade para ninguém que o Linux é reconhecido mundialmente como um dos sistemas operacionais mais seguros para se utilizar. Apesar de não ser 100% livre de ameaças, são raros os casos em que algum sistema Linux foi "afetado" por algum vírus/malware (e quando isso acontece, está restrito a servidores), diferente do que acontece com um outro sistema famoso presente na maioria dos computadores...

 E para reforçar ainda mais a segurança do Linux, foi criado em 1º de janeiro de 1998 o SELinux, um módulo de segurança para o Kernel Linux desenvolvido originalmente pela Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) em parceria com a Red Hat. O SELinux fornece um mecanismo de Controle de Acesso Mandatório (MAC), que restringe o nível de controle que os usuários tem sobre os objetos que eles criam, adicionando categorias e rótulos a todos os objetos do sistema de arquivos. Os usuários e processos devem ter acesso adequado a estas categorias e rótulos para que então possam interagir com esses objetos. Como aplicação do SELinux, o que se tem são rótulos contendo informações relevantes para a segurança de processos e arquivos, informações estas conhecidas como "Chamadas de Contexto SELinux" (SELinux context).
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Instalando o Android Studio no openSUSE e no Fedora Workstation

 O Android Studio é o IDE (Integrated Development Environment ou 'Ambiente de Desenvolvimento Integrado') oficial da Google para desenvolver aplicativos para o Android, baseado no IntelliJ IDEA, de JetBrains. Ele está disponível gratuitamente, tanto para Linux como Windows e macOS e, além do editor de código e das ferramentas de desenvolvedor avançadas do IntelliJ, o Android Studio oferece ainda mais recursos para aumentar sua produtividade na criação de aplicativos Android, como:

  • Um sistema de compilação flexível baseado no Gradle;
  • Um emulador rápido com inúmeros recursos;
  • Um ambiente unificado para você poder desenvolver para todos os dispositivos Android;
  • Instant Run para aplicar alterações a aplicativos em execução sem precisar compilar um novo APK;
  • Modelos de códigos e integração com GitHub para ajudar a criar recursos comuns dos aplicativos e importar exemplos de código;
  • Ferramentas e estruturas de teste cheias de possibilidades;
  • Ferramentas de verificação de código suspeito para detectar problemas de desempenho, usabilidade, compatibilidade com versões e outros;
  • Compatibilidade com C++ e NDK;
  • Compatibilidade embutida com o Google Cloud Platform, facilitando a integração do Google Cloud Messaging e do App Engine.
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Novatec Editora lança o livro "Desenvolvendo com Laravel"

O Livro "Desenvolvendo com Laravel", lançado recentemente pela Novatec Editora, foi escrito por um dos membros mais qualificados da comunidade Laravel.

 O que diferencia o Laravel de outros frameworks PHP? Para começar, velocidade e simplicidade. Este framework veloz de desenvolvimento de aplicativos e seu vasto ecossistema de ferramentas permitem construir rapidamente novos sites e aplicativos com código limpo e legível. Com o livro Desenvolvendo com Laravel, Matt Stauffer – um dos principais mentores e desenvolvedores da comunidade Laravel – fornece a introdução definitiva a um dos frameworks web mais populares da atualidade.

Capa do livro "Desenvolvendo com Laravel", da Novatec Editora

 A visão geral de alto nível e os exemplos concretos do livro ajudarão desenvolvedores PHP experientes a começar a usar o Laravel imediatamente. Quando você chegar à última página do livro Desenvolvendo com Laravel, se sentirá à vontade para criar um aplicativo inteiro no Laravel a partir do zero.

 Vários recursos do framework são apresentados, entre eles:

  • Blade, a ferramenta poderosa e personalizada do Laravel para a manipulação de templates;
  • Ferramentas para a coleta, validação, normalização e filtragem de dados fornecidos pelo usuário;
  • O ORM Eloquent do Laravel para o trabalho com os bancos de dados do aplicativo;
  • O objeto de solicitação Illuminate e seu papel no ciclo de vida do aplicativo;
  • PHPUnit, Mockery e PHPSpec para o teste de seu código PHP;
  • Ferramentas do Laravel para a criação de APIs JSON e RESTful;
  • Interfaces para acesso ao sistema de arquivos, sessões, cookies, caches e busca;
  • Ferramentas para a implementação de filas, jobs, eventos e publicação de eventos por WebSockets;
  • Pacotes especializados do Laravel: Scout, Passport, Cashier, Echo, Elixir, Valet e Socialite.






 O Livro possui 480 páginas e está à venda no site da Novatec Editora, para conferir mais detalhes sobre o mesmo basta acessar:

  https://novatec.com.br/livros/desenvolvendo-com-laravel/

 Confira também uma prévia do Livro "Desenvolvendo com Laravel" clicando no botão abaixo:

Prévia - Desenvolvendo com Laravel

Sobre o Autor

 Matt Stauffer é desenvolvedor e professor. Ele é sócio e diretor técnico da Tighten Co., tem um blog em mattstauffer.co e é apresentador do Five-Minute Geek Show e do Laravel Podcast.


 Cadastre-se e receba todas as novidades do Blog Opção Linux diretamente no seu e-mail, ou siga-nos no Google+, no Twitter ou na nossa página no Facebook! :)

 Obrigado pela visita e até +!
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!

Você vai aprender, neste tutorial, a instalar manualmente a versão mais recente do Oracle Java Development Kit no Fedora.

 Java é uma linguagem de programação multiplataforma orientada a objetos, desenvolvida na década de 90 por James Gosling, na Sun Microsystems (adquirida pela Oracle em 2009). Diferente das linguagens de programação convencionais (que são compiladas para código nativo), a linguagem Java é compilada para um bytecode que é executado por uma máquina virtual. A linguagem de programação Java é a linguagem convencional da Plataforma Java, mas não é a sua única linguagem.

 Assim como as principais distribuições Linux, o Fedora disponibiliza nos repositórios oficiais o OpenJDK, que é um Java Development Kit de código aberto baseado totalmente em software livre, incluindo também um plugin para navegadores, o IcedTea Web. O OpenJDK atende às necessidades da maioria dos usuários, porém, há momentos que se faz necessário a utilização do Oracle JDK.

 O Oracle Java Development Kit (JDK) é um ambiente de desenvolvimento para a construção de aplicações, applets e componentes utilizando a linguagem de programação Java. O JDK inclui o Java Runtime Environment, o compilador Java e as APIs Java.

 Caso queira utilizar o Oracle JDK (proprietário) no Fedora, confira então este passo a passo de instalação manual do mesmo, utilizando o pacote tar.gz.

 Para saber mais sobre o Java acesse:

  https://www.java.com/pt_BR/about/
  https://www.java.com/pt_BR/download/faq/develop.xml

  Procedimento testado no Fedora 25 Workstation (64 bits).
  Tecle uname -m no terminal para verificar se o seu sistema é de 64 bits (x86_64) ou 32 bits (i686), ok?!

 Chega de enrolação e vamos à instalação!

Instalando a versão mais recente do Oracle JDK no Fedora


 Apesar da instalação do Oracle JDK no Fedora, recomendo que NÃO REMOVA o OpenJDK do sistema (que, provavelmente, está instalado), evitando assim problemas de dependências de pacotes.
 O único pacote que você deverá remover do sistema antes de instalar o JDK é o plugin IcedTea Web, do contrário, uma das etapas abaixo irá falhar. Para removê-lo, basta abrir um terminal e executar:

sudo dnf remove icedtea-web

 Feito isso, acesse o link abaixo e faça o download da última versão do Oracle JDK:


 Clique em "Accept License Agreement" (Aceitar o Contrato de Licença) e após, faça o download do pacote jdk-[versão]-linux-x64.tar.gz (caso utilize a versão de 64 bits do Fedora) ou o pacote jdk-[versão]-linux-i586.tar.gz (para o Fedora de 32 bits), conforme mostrado na imagem abaixo:

Página de download do Oracle Java SE Development Kit (JDK)

 Após baixar o Oracle JDK, abra um terminal e acesse a pasta onde está o mesmo; por exemplo, caso ele esteja na pasta "Downloads", basta digitar:

cd /home/$USER/Downloads

 Em seguida, extraia-o com o comando:

tar xvzf jdk-*.tar.gz

 Renomeie a pasta que resultou da extração para "jdk-oracle" (para facilitar os passos seguintes):

mv jdk*/ jdk-oracle

 Mova a pasta criada para o diretório "/usr/lib":

sudo mv jdk-oracle/ /usr/lib

 Feito isso, informe ao sistema onde o Oracle Java está localizado com os comandos abaixo (um por vez):

sudo update-alternatives --install "/usr/bin/java" "java" "/usr/lib/jdk-oracle/bin/java" 1
sudo update-alternatives --install "/usr/bin/javac" "javac" "/usr/lib/jdk-oracle/bin/javac" 1
sudo update-alternatives --install "/usr/bin/jar" "jar" "/usr/lib/jdk-oracle/bin/jar" 1
sudo update-alternatives --install "/usr/bin/javaws" "javaws" "/usr/lib/jdk-oracle/bin/javaws" 1

 E defina-o como padrão executando os comandos (um por vez):

sudo update-alternatives --set java /usr/lib/jdk-oracle/bin/java
sudo update-alternatives --set javac /usr/lib/jdk-oracle/bin/javac
sudo update-alternatives --set jar /usr/lib/jdk-oracle/bin/jar
sudo update-alternatives --set javaws /usr/lib/jdk-oracle/bin/javaws


      ---   DICA   ---      

Caso queira, poderá utilizar os comandos:

sudo update-alternatives --config java
sudo update-alternatives --config javac
sudo update-alternatives --config jar
sudo update-alternatives --config javaws

Para definir manualmente os principais componentes do Java a serem utilizados no sistema (por exemplo, alternar entre o Java proprietário e o OpenJDK), basta informar o número correspondente à versão desejada e pressionar Enter, ok?!


 Configure também as variáveis do ambiente (a nível global) editando o arquivo /etc/profile. Para isso, você poderá utilizar qualquer editor de textos "puro" em modo gráfico, como o Gedit, Kwrite e Leafpad, ou pelo terminal, utilizando o Vim ou o nano. Para essa simples edição utilizarei o nano, caso também queira usá-lo, instale-o executando o comando abaixo no terminal:

sudo dnf install nano

 Com o nano instalado, execute:

sudo nano /etc/profile

 Pressione a tecla direcional para baixo para chegar ao FINAL DO ARQUIVO e em seguida, adicione o conteúdo abaixo no mesmo:

JAVA_HOME=/usr/lib/jdk-oracle
PATH=$PATH:$HOME/bin:$JAVA_HOME/bin
export JAVA_HOME
export PATH

 Veja como ficou o meu arquivo "profile" após a edição:

Arquivo /etc/profile editado com as variáveis do ambiente

 Tecle Ctrl + o para salvar o arquivo, pressione Enter para confirmar e Ctrl + x para sair do editor nano.
 Após, execute o comando:

su -c 'source /etc/profile'

 Para que as alterações tenham efeito imediatamente ou se preferir, reinicie o sistema.

 Por último, verifique se o Java foi instalado corretamente, execute:

java -version

 E se seguiu corretamente os passos acima, a saída será semelhante a esta abaixo:

### Verificando versão do Java
sandro@linux-8u5w:~> java -version
java version "1.8.0_121"
Java(TM) SE Runtime Environment (build 1.8.0_121-b13)
Java HotSpot(TM) 64-Bit Server VM (build 25.121-b13, mixed mode)
sandro@linux-8u5w:~>







Habilitando o plugin Java no Mozilla Firefox


      ---   ATENÇÃO   ---      

Procedimento válido apenas para o Mozilla Firefox 52 ESR e versões anteriores, utilizando o Oracle JDK 8, já que o plugin para navegadores não estará disponível no Oracle Java 9 e o suporte a plugins NPAPI (como o Java) foi removido no Firefox 52 e versões posteriores.

 Se necessário, execute os comandos abaixo para instalar e definir como padrão o plugin Java para navegadores, de acordo com a arquitetura do Fedora:

  Se o seu sistema for de 64 bits, instale-o executando:

sudo alternatives --install "/usr/lib64/mozilla/plugins/libjavaplugin.so" "javaplugin" "/usr/lib/jdk-oracle/jre/lib/amd64/libnpjp2.so" 1

 E defina-o como padrão com:

sudo alternatives --set javaplugin /usr/lib/jdk-oracle/jre/lib/amd64/libnpjp2.so


  Já se for de 32 bits, instale o plugin Java com:

sudo alternatives --install "/usr/lib/mozilla/plugins/libjavaplugin.so" "javaplugin" "/usr/lib/jdk-oracle/jre/lib/i386/libnpjp2.so" 1

 E defina-o como padrão:

sudo alternatives --set javaplugin /usr/lib/jdk-oracle/jre/lib/i386/libnpjp2.so

      ---   DICA   ---      

Se não tivesse desinstalado o plugin IcedTea Web do sistema (como foi pedido acima), você poderia utilizar o comando abaixo:

sudo update-alternatives --config javaplugin

Para definir manualmente a versão do plugin Java a ser utilizada no navegador (alternando entre o plugin Java da Oracle e o plugin do OpenJDK), com isso, bastaria informar o número correspondente à versão desejada e pressionar Enter, ok?!


 Em seguida, verifique se o plugin Java foi instalado corretamente, abra o Mozilla Firefox e acesse o site:

  https://www.java.com/pt_BR/download/installed8.jsp?detect=jre

 Clique em "Ativar o Java":

Verificar a versão do Java instalada

 Na tela seguinte clique em "Ativar o Java"; provavelmente aparecerá uma janela de diálogo do Firefox pedindo sua autorização para executar o Java, clique em "Allow Now" (ou Permitir agora), conforme mostrado na imagem abaixo:

Permita a execução do plugin clicando em "Permitir agora"

 Em seguida, clique em "Executar":

Na janela de diálogo, clique em "Executar"

 Pronto! O plugin Java foi instalado e está funcionando perfeitamente no Firefox!

O plugin Java foi instalado com sucesso!


Criando um atalho para o Java Control Panel


 Vamos agora criar um atalho para o Painel de Controle do Java, copie e cole o conteúdo abaixo no terminal e pressione Enter em seguida:

sudo tee /usr/share/applications/java-control.desktop <<ATALHO
[Desktop Entry]
Encoding=UTF-8
Name=Java
Comment=Java Control Panel
Exec=sh '/usr/lib/jdk-oracle/bin/jcontrol'
Icon=/usr/lib/jdk-oracle/jre/lib/desktop/icons/hicolor/48x48/apps/sun-jcontrol.png
Terminal=false
Type=Application
Categories=Application;Settings;Java;X-Red-Hat-Base;X-Ximian-Settings;
ATALHO

 Feito isso, procure pelo atalho "Java" criado anteriormente no menu de aplicativos para abrir o Java Control Panel:

Painel de Controle do Java


Atualizando o Oracle JDK no Fedora


 Para atualizar o JDK é bem simples, primeiro, baixe a versão mais recente do Oracle JDK (de acordo com a arquitetura do seu sistema) em:

  http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/jdk8-downloads-2133151.html

 Depois, abra o terminal e remova a versão antiga do sistema executando:

sudo rm -rf /usr/lib/jdk-oracle/

 E repita os passos (como dito anteriormente):

cd /home/$USER/Downloads
* Entre na pasta onde baixou o pacote, no caso, a pasta "Downloads";

tar xvzf jdk-*.tar.gz
* Extraia o pacote;

mv jdk*/ jdk-oracle
* Renomeie a pasta;

sudo mv jdk-oracle/ /usr/lib
* E mova para a pasta "/usr/lib".

 E só!


Removendo o Oracle JDK do sistema


 Caso queira desinstalar o Oracle JDK do sistema, basta executar os comandos abaixo:

 - Removendo o JDK e seus principais componentes do sistema (um comando por vez):

sudo update-alternatives --remove java /usr/lib/jdk-oracle/bin/java
sudo update-alternatives --remove javac /usr/lib/jdk-oracle/bin/javac
sudo update-alternatives --remove jar /usr/lib/jdk-oracle/bin/jar
sudo update-alternatives --remove javaws /usr/lib/jdk-oracle/bin/javaws

 - Remova as variáveis do ambiente que havia adicionado no arquivo /etc/profile, tecle:

sudo nano /etc/profile

 E atenção, APAGUE APENAS estas linhas que estão no final dele:

JAVA_HOME=/usr/lib/jdk-oracle
PATH=$PATH:$HOME/bin:$JAVA_HOME/bin
export JAVA_HOME
export PATH

 Salve o arquivo teclando Ctrl + o, pressione Enter para confirmar e tecle Ctrl + x para sair.


 - Removendo o plugin Java (caso tenha instalado):

  Se utiliza o Fedora de 64 bits:

sudo update-alternatives --remove javaplugin /usr/lib/jdk-oracle/lib/amd64/libnpjp2.so

  Se utiliza o Fedora de 32 bits:

sudo update-alternatives --remove javaplugin /usr/lib/jdk-oracle/lib/i386/libnpjp2.so

 - Removendo o atalho criado para o Painel de Controle Java:

sudo rm -rf /usr/share/applications/java-control.desktop

 - Por último, remova a pasta onde o mesmo está instalado:

sudo rm -rf /usr/lib/jdk-oracle/

 E só!


 Espero que este tutorial seja útil para você! Caso tenha alguma dúvida, sugestão ou crítica, basta deixar o seu comentário logo abaixo (utilizando o Disqus, sua conta do Google/Blogger ou o sistema de comentários do Facebook), ou se preferir, entre em contato conosco!

 Aproveite e cadastre-se para receber todas as novidades do Blog Opção Linux no seu e-mail, ou siga-nos no Google+, no Twitter ou na nossa página no Facebook! :)

 Muito obrigado pela visita e até o próximo tutorial!


Referências:


Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!

Aprenda, neste tutorial, a instalar facilmente o Dropbox Client no openSUSE e no Fedora Workstation.

 O Dropbox é um dos serviços de armazenamento e backup de dados na nuvem mais populares da atualidade, dispondo de um plano gratuito com 2 GB (O Dropbox Basic), podendo ser expandido até 18 GB através de indicações que você fizer a seus amigos, familiares e colegas de trabalho, além de planos pagos a partir de 1 TB de armazenamento. Ele também conta um aplicativo disponível para Linux, macOS, Windows e dispositivos móveis, tornando ainda mais fácil acessar os seus arquivos de qualquer lugar.

 Conheça mais sobre o Dropbox acessando o site oficial:

  https://www.dropbox.com/

 E vamos então à instalação!

Tutorial testado no openSUSE Tumbleweed, openSUSE Leap 42.2 e Fedora 25 Workstation, com o ambiente de área de trabalho GNOME 3.

Instalando o Dropbox Client no Fedora

 Há duas formas de se instalar o Dropbox no Fedora. Se você já adicionou o repositório RPMFusion no sistema (que fornece os codecs multimídia, dentre outros pacotes), basta abrir um terminal e executar o comando abaixo para instalá-lo:

sudo dnf install dropbox

 Caso queira instalar a extensão do Dropbox para o gerenciador de arquivos Nautilus, execute:

sudo dnf install nautilus-dropbox

   ---   ATENÇÃO   ---   

PROCEDIMENTO VÁLIDO APENAS PARA QUEM NÃO POSSUI OS REPOSITÓRIOS RPMFUSION NO SISTEMA

 Uma outra opção é adicionar o repositório oficial do Dropbox, para isso, copie e cole todo o conteúdo abaixo num terminal e pressione Enter :

sudo tee /etc/yum.repos.d/dropbox.repo <<RPMREPO
[Dropbox]
name=Dropbox Repository
baseurl=http://linux.dropbox.com/fedora/$releasever/
gpgkey=https://linux.dropbox.com/fedora/rpm-public-key.asc
RPMREPO

 Importe a chave de assinatura do repositório:

sudo rpm --import https://linux.dropbox.com/fedora/rpm-public-key.asc

 E instale o pacote nautilus-dropbox, que fornece o aplicativo para desktop Dropbox, com:

sudo dnf install nautilus-dropbox


Instalando o Dropbox Client no openSUSE

 Se você usa o openSUSE, basta apenas um comando no terminal para instalar o Dropbox, já que o mesmo está presente nos repositórios oficiais:

sudo zypper in dropbox
* Ao executar o comando acima, o nautilus-extension-dropbox (extensão do Dropbox para o gerenciador de arquivos Nautilus) também será instalado






Executando o Dropbox Client

 Após a instalação do aplicativo, abra-o através do atalho criado no menu de aplicativos de sua distribuição ou pelo terminal executando:

dropbox start -i

 Será exibido uma caixa de diálogo do instalador do Dropbox, informando que é preciso baixar os componentes necessários para a execução do Dropbox Client, clique em "OK" para continuar::

Utilitário gráfico de instalação do Dropbox Client

 E aguarde enquanto é feito o download:

Aguarde enquanto é feito o download dos componentes necessários

 Após, o navegador padrão do sistema será aberto automaticamente na página de login do Dropbox. Nela, você deverá inserir o seu e-mail e senha da sua conta do Dropbox e em seguida, clique em "Sign in", como mostrado na imagem abaixo:

Será aberto o navegador para que você faça login na sua conta do Dropbox

 Aparecerá uma mensagem informando que o seu computador foi associado com sucesso à sua conta do Dropbox, semelhante a este EXEMPLO; em seguida, clique em "Continue to Dropbox" para acessar a sua conta ou feche a aba ou o navegador.

 Após fazer login, será criado o diretório "Dropbox" na sua pasta HOME (será feito o download dos seus arquivos que estão nos servidores do Dropbox, assim como será feito o upload dos arquivos que copiar para esta pasta diretamente para o Dropbox), além de um ícone de status do Dropbox na bandeja do sistema, como mostrado na imagem abaixo:

Pasta "Drobox" que foi criada na pasta HOME

 Clicando sobre o ícone de status do Dropbox você poderá acompanhar e pausar o processo de sincronização, além de acessar as Preferências (configurações) do aplicativo:

Ícone de status do Dropbox na barra de notificações do GNOME

 Nas Preferências do Dropbox, você poderá definir, dentre outras opções, se o mesmo deve iniciar ou não junto com o sistema, como destacado na imagem abaixo:

Configurações do Dropbox Client

 E caso tenha instalado a extensão do Nautilus, ficará muito mais fácil enviar qualquer arquivo diretamente para sua conta do Dropbox, basta clicar com o botão esquerdo do mouse no arquivo/pasta e selecionar a opção "Mover para Dropbox" no menu de contexto:

Menu de contexto do Nautilus mostrando a opção "Mover para Dropbox"




E como faço para desinstalar o Dropbox?

 Para remover o Dropbox do sistema é simples, basta executar:

   No Fedora:

sudo dnf remove dropbox

 Se você instalou o Dropbox através do repositório oficial ou a extensão do mesmo para o Nautilus, execute:

sudo dnf remove nautilus-dropbox

 Caso tenha adicionado o repositório do Dropbox, remova-o com o comando:

sudo rm /etc/yum.repos.d/dropbox.repo


   No openSUSE:

sudo zypper rm dropbox

 E só!


 Então é isso! Caso tenha alguma dúvida, sugestão ou crítica a respeito deste tutorial, basta deixar o seu comentário logo abaixo, ou se preferir, entre em contato conosco!

 Aproveite e cadastre-se para receber todas as novidades do Blog Opção Linux no seu e-mail, ou siga-nos no Google+, no Twitter ou na nossa página no Facebook! :)

 Muito obrigado pela visita e até o próximo tutorial!


Referências: