Março 2017
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Novatec Editora lança o Livro "Laravel para Ninjas"

A Novatec Editora lançou o livro "Laravel para Ninjas", que ensina a desenvolver aplicações web PHP de forma prática e intuitiva com o framework Laravel.

 As aplicações web modernas têm evoluído rapidamente e a demanda por ferramentas capazes de entregar conteúdo dinâmico é crescente. Nesse contexto, frameworks modernos como o Laravel são ferramentas indispensáveis para a produção de sistemas web em tempo hábil, com qualidade e de fácil manutenção.

 O livro Laravel para Ninjas, lançado pela Novatec Editora, é indicado para desenvolvedores web que procuram uma ferramenta atual e robusta para desenvolvimento de aplicações web com alta qualidade e grande aceitação no mercado.

Livro "Laravel para Ninjas", da Novatec Editora

 O título aborda temas como:

  • Instalação do ambiente para desenvolvimento no Windows, MAC OS X e Linux;
  • Instalação e uso do Composer, um gerenciador de dependências para PHP;
  • Instalação do framework Laravel e execução dos primeiros testes;
  • Construção de modo incremental de um catálogo de produtos com integração com o ORM Eloquent, sistema de paginação, busca, upload de imagens, etc;
  • Construção de um aplicativo de página única com API Restful e integração do front-end com a biblioteca JavaScript Angular;
  • Uma visão mais aprofundada do uso do ORM Eloquent;
  • Envio de e-mails com o Laravel usando serviços para envio de e-mails em massa;
  • Execução de testes unitários e de integração com o PHPUnit;
  • Publicação do seu aplicativo em servidor dedicado ou compartilhado.






 O Livro possui 184 páginas e está à venda no site da Novatec Editora, para conferir mais detalhes sobre o mesmo basta acessar:

  https://novatec.com.br/livros/laravel-para-ninjas/

 E utilizando o código promocional LARAVEL até o dia 02/04/2017 você ganha 25% de desconto! :)

 Confira também uma prévia do Livro "Introdução à Orientação a Objetos com C++ e Python" clicando no botão abaixo:

Prévia - Laravel para Ninjas

Sobre o Autor

Ademir C. Gabardo é engenheiro de software com mais de quinze anos de experiência em desenvolvimento de sistemas web, doutorando da Faculdade de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação na University of Newcastle (UON), Austrália, mestre em Computação Aplicada com ênfase em Engenharia de Sistemas Computacionais pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e bacharel em Sistemas de Informação pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Autor dos títulos CodeIgniter framework PHP, PHP e MVC com CodeIgniter, Criando um E-Commerce com CodeIgniter e Análise de redes sociais – uma visão computacional, publicados pela Novatec Editora.


 Cadastre-se e receba todas as novidades do Blog Opção Linux diretamente no seu e-mail, ou siga-nos no Google+, no Twitter ou na nossa página no Facebook! :)

 Obrigado pela visita e até +!
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Lançado o GNOME 3.24 "Portland"!

 Após 6 meses de desenvolvimento, foi anunciado hoje, dia 22 de março de 2017, a mais recente versão do ambiente de área de trabalho GNOME, o GNOME 3.24 "Portland". Apresentando uma plataforma atualizada e aplicações, o lançamento inclui uma série de novos recursos e melhorias, representando mais um passo adiante para o GNOME e tem muito a oferecer aos usuários e desenvolvedores.






 Esta versão recebeu o nome de "Portland" em reconhecimento à equipe que organizou o LAS GNOME, evento do realizado no ano passado na cidade de Portland, estado americano de Oregon (EUA). O próximo lançamento, GNOME 3.26, está planejado para outubro de 2017.
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!

A Novatec Editora lançou o Livro "Introdução à Orientação a Objetos com C++ e Python", um guia prático que ensina orientação a objetos sem se prender às limitações de uma determinada linguagem.

 Um dos maiores desafios enfrentados por estudantes e profissionais de TI é o entendimento do paradigma orientação a objetos. Não basta aprender os conceitos de classe, objeto, herança e polimorfismo, para o real aproveitamento é preciso compreender a aplicabilidade desses conceitos em dividir o software em pequenas unidades que trocam mensagens entre si.


 O livro Introdução à Orientação a Objetos com C++ e Python, lançado pela Novatec Editora, preenche essa lacuna com a vantagem de não prender o leitor às limitações de uma determinada linguagem. A obra explica os conceitos fazendo uso de códigos-fonte nas linguagens C++ e Python, deixando o leitor livre para reescrever os exemplos apresentados em sua linguagem orientada a objetos favorita.






 Com linguagem informal, o livro tem nove capítulos explicativos e um capítulo exclusivamente dedicado a exercícios, em que o autor associa a dificuldade de cada exercício a um objetivo educacional, mesma metodologia utilizada em sala de aula.

 O Livro possui 192 páginas e está à venda no site da Novatec Editora, para conferir mais detalhes sobre o mesmo basta acessar:

  https://novatec.com.br/livros/introducao-orientacao-objetos/

 E utilizando o código promocional OBJETOS até o dia 29/03/2017 você ganha 25% de desconto! :)

 Confira também uma prévia do Livro "Introdução à Orientação a Objetos com C++ e Python" clicando no botão abaixo:

Prévia - Introdução à Orientação a Objetos com C++ e Python

Sobre o Autor

 Orlando Saraiva do Nascimento Júnior é mestre em Tecnologia pela Universidade Estadual de Campinas (FT – Unicamp 2013), fez MBA em Gestão Estratégica de Negócios (Unifian 2008) e MBA em Gestão Empresarial (FHO – Uniararas 2016). Graduado em Tecnologia em Informática pela Universidade Estadual de Campinas (CESET – Unicamp 2005), é também assistente de suporte acadêmico na Universidade Estadual Paulista (UNESP – campus Rio Claro) e docente na Fundação Hermínio Ometto (FHO – Uniararas) no curso Sistemas de Informação.


 Cadastre-se e receba todas as novidades do Blog Opção Linux diretamente no seu e-mail, ou siga-nos no Google+, no Twitter ou na nossa página no Facebook! :)

 Obrigado pela visita e até +!
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Como criar um pen drive bootável do Windows pelo Linux

Aprenda, neste tutorial, a criar um pen drive de instalação do Windows pelo Linux manualmente.

 Quem usa Linux a algum tempo e está sempre testando novas distros, sabe que a melhor maneira de gravar uma imagem .ISO ou .IMG de algum sistema operacional em um pen drive é utilizando o terminal e executando o bom e velho dd, como explicamos nesta dica AQUI. Mas este "método" não funciona para gravar uma imagem ISO do Windows no pen drive, apenas de distribuições Linux e de sistemas Unix-like, como o FreeBSD (que, segundo a documentação do mesmo, deve ser utilizado a imagem de disco (.IMG) ao invés da .ISO).

 E um dos únicos programas para criar um pen drive bootável do Windows disponíveis para Linux é o WinUSB, um utilitário simples e de fácil uso (semelhante ao dd), que desde 2012, segundo o site oficial, não recebe atualizações por parte do seu desenvolvedor, o Colin GILLE (Congelli501). Com isso, o usuário "slacka" criou um um fork do WinUSB no GitHub e vem disponibilizando novas versões e correções de bugs, apesar disso, ele nem sempre funciona como deveria, apresentou vários erros na criação de um pen drive bootável nas distribuições que testei (principalmente com suporte a UEFI).
 Por isso, mostro-lhes como criar uma mídia de instalação do Windows no Linux sem o uso de programas, utilizando apenas as ferramentas "nativas" do sistema. Vamos lá então?!

O que você verá neste tutorial:

  Como criar um pen drive bootável do Windows no Linux (para computadores equipados com UEFI)
  Como criar um pen drive bootável do Windows no Linux (para computadores que possuem BIOS) - Página 2
  Como formatar o pen drive bootável após utilizá-lo (utilizando o terminal) - Página 2

Tutorial testado no openSUSE Tumbleweed, openSUSE Leap 42.2 e 42.1, Fedora 25 Workstation e Ubuntu 16.04 LTS, utilizando as ISOs de 64 bits do Windows 10, Windows 8.1 e Windows 7.

Criando um pen drive de instalação do Windows no Linux (para computadores equipados com UEFI)


 Esta etapa descreve o passo a passo de criação da mídia de instalação do Windows para computadores que possuem suporte a UEFI,. Se o seu computador é "antigo" e tenha BIOS, siga o passo a passo da página seguinte, ok?

      ---   FIQUE ATENTO   ---      

LEIA COM ATENÇÃO todos os procedimentos indicados neste tutorial e identifique corretamente o seu pen drive, pois do contrário, poderá causar sérios danos ao(s) seu(s) disco(s) rígido(s). Não nos responsabilizamos por quaisquer perdas de dados.

Recomendo que CONECTE APENAS o pen drive que será utilizado para a criação da mídia de instalação do Windows.

Este tutorial não ensina como criar uma mídia de instalação do Windows 7 compatível com computadores com UEFI e muito menos do Windows XP.

 A primeira coisa a se fazer é "espetar" um pen drive que esteja disponível (de 4GB ou mais) no seu computador (se necessário, faça BACKUP de TODOS os arquivos contidos nele). Após, execute o comando abaixo para identificá-lo:

sudo fdisk -l

 Estou utilizando um pen drive da SanDisk de 8GB, e que, segundo mostrado pelo comando acima, é o disco identificado como /dev/sdc, como mostrado na imagem abaixo:

Identificando o pen drive através do comando fdisk -l
      ---   ATENÇÃO   ---      

Identifique CORRETAMENTE o seu pen drive, pois, caso contrário, poderá destruir todos os dados do seu disco rígido.

Nos comandos a seguir, você deverá substituir o "X" pela letra correspondente ao seu pen drive. No meu caso, por exemplo, é o disco identificado como "/dev/sdc", então preciso trocar o "X" pela letra "c".

 Identificado o pen drive, execute o comando abaixo para escrever zeros (apagar) a MBR do mesmo, substituindo o "X" pela letra correspondente ao seu dispositivo:

sudo dd if=/dev/zero of=/dev/sdX bs=512 count=1 && sync

 Feito isso, vamos criar uma Tabela de partição GPT no dispositivo utilizando o cfdisk, execute:

sudo cfdisk /dev/sdX

 Aparecerá uma tela semelhante a esta abaixo, selecione a opção gpt e tecle Enter:

Selecionando uma nova tabela de partição com o cfdisk

 Após, com a tecla direcional da direita, selecione a opção "Gravar", como destacado na imagem abaixo, e pressione Enter:

Selecione "Gravar" para definir a nova tabela de partição no pen drive

 Confirme as alterações digitando sim e em seguida, tecle Enter::

Escreva "sim" (sem aspas) para confirmar as alterações

 Logo após, crie uma nova partição no pen drive; com a tecla direcional da esquerda, selecione a opção "Nova" e tecle Enter, como mostrado na imagem abaixo:

Criando uma nova partição no dispositivo

 Na etapa seguinte basta pressionar Enter para definir o Tamanho da partição, que, neste caso, vamos utilizar todo o espaço livre no pen drive:

Selecione o tamanho dessa partição apenas pressionando Enter

 Em seguida, altere o Tipo da partição. Com as teclas direcionais, selecione a opção "Tipo", como mostrado na imagem abaixo, e pressione Enter:

Defina o Tipo dessa nova partição

 Com a tecla direcional para baixo, selecione o tipo de partição "Microsoft dados básico" e após, tecle Enter:

Escolha a opção "Microsoft dados básico" e tecle Enter

 Selecione a opção "Gravar" com a tecla direcional da direita e pressione Enter:

Clique em "Gravar" para salvar as alterações

 Digite sim para confirmar as alterações realizadas e pressione Enter:

Escreva "sim" (sem aspas) e tecle Enter para confirmar as alterações

 E selecione a opção "Sair" para sair do cfdisk (obviamente):

Saia do cfdisk selecionando a opção "Sair"

 Feito isso, ainda no terminal, desmonte a partição do seu pen drive (caso esteja montada) com:

sudo umount /dev/sdX1

 Formate a partição criada anteriormente em FAT32 com o comando:

sudo mkfs.vfat -F32 /dev/sdX1

 Crie a pasta ISO-WIN em /media para montar a ISO do Windows:

sudo mkdir /media/ISO-WIN

 E também a pasta PEN-DRIVE em /media, onde vamos montar o pen drive:

sudo mkdir /media/PEN-DRIVE

 Monte a ISO do Windows no diretório ISO-WIN com o comando:

sudo mount -o loop '/pasta/onde/está/a/imagem.iso' /media/ISO-WIN/

 No meu caso, como a ISO do Windows 10 está na pasta "Downloads", o comando ficou assim:

### EXEMPLO DE COMO FICOU O COMANDO NO MEU CASO ###
sudo mount -o loop '/home/sandro/Downloads/Win10_1607_BrazilianPortuguese_x64.iso' /media/ISO-WIN/

 Monte o pen drive com o comando:

sudo mount /dev/sdX1 /media/PEN-DRIVE/

 E em seguida, execute o comando abaixo para copiar todos os arquivos da ISO do Windows que foi montada na pasta ISO-WIN para a pasta PEN-DRIVE (onde o seu pen drive está montado):

sudo cp -v -r /media/ISO-WIN/* /media/PEN-DRIVE/ && sync

 Esse processo leva em torno de 5 a 10 minutos (ou mais) para concluir e poderá "travar" o seu PC em alguns momentos, mas somente nos primeiros minutos. Vá até a cozinha e tome um café enquanto isso! :)






 Assim que o processo terminar, desmonte a ISO do Windows com o comando:

sudo umount /media/ISO-WIN

 Desmonte também o seu pen drive:

sudo umount /media/PEN-DRIVE

 Remova a pasta onde a ISO estava montada:

sudo rm -r /media/ISO-WIN/

 E a pasta onde o pen drive estava montado:

sudo rm -r /media/PEN-DRIVE/

 Agora é só salvar os seus trabalhos, reiniciar o seu computador e dar boot pelo pen drive de instalação do Windows! Mas antes, talvez seja necessário configurar o seu computador para dar boot pelo pen drive, assista o vídeo abaixo, do canal Sayro Digital, que explica esse processo:


 Seu computador é de um modelo mais "antigo" e não possui suporte a UEFI? Confira então como criar um pen drive bootável do Windows compatível com equipamentos que possuem BIOS acessando a próxima página!
    Este tutorial está dividido em duas páginas, para acessar a página seguinte basta clicar no número 2 logo abaixo, ok?!

Criando um pen drive de instalação do Windows no Linux (para computadores que possuem BIOS)


 Esta etapa descreve o passo a passo de criação da mídia de instalação do Windows para computadores mais "antigos" que possuem BIOS. Caso o seu computador tenha UEFI, você deverá seguir o tutorial da página anterior, ok?

      ---   FIQUE ATENTO   ---      

LEIA COM ATENÇÃO todos os procedimentos indicados neste tutorial e identifique corretamente o seu pen drive, pois do contrário, poderá causar sérios danos ao(s) seu(s) disco(s) rígido(s). Não nos responsabilizamos por quaisquer perdas de dados.

Recomendo que CONECTE APENAS o pen drive que será utilizado para a criação da mídia de instalação do Windows.

Este tutorial não ensina como criar uma mídia de instalação do Windows 7 compatível com computadores com UEFI e muito menos do Windows XP.

 A primeira coisa a se fazer é "espetar" um pen drive que esteja disponível (de 4GB ou mais) no seu computador (se necessário, faça BACKUP de TODOS os arquivos contidos nele). Após, execute o comando abaixo para identificá-lo:

sudo fdisk -l

 Estou utilizando um pen drive da SanDisk de 8GB, e que, segundo mostrado pelo comando acima, é o disco identificado como /dev/sdc, como mostrado na imagem abaixo:

Identificando o pen drive através do comando fdisk -l

      ---   ATENÇÃO   ---      

Identifique CORRETAMENTE o seu pen drive, pois, caso contrário, poderá destruir todos os dados do seu disco rígido.

Nos comandos a seguir, você deverá substituir o "X" pela letra correspondente ao seu pen drive. No meu caso, por exemplo, é o disco identificado como "/dev/sdc", então preciso trocar o "X" pela letra "c".

 Identificado o pen drive, execute o comando abaixo para escrever zeros (apagar) a MBR do mesmo, substituindo o "X" pela letra correspondente ao seu dispositivo:

sudo dd if=/dev/zero of=/dev/sdX bs=512 count=1 && sync

 Feito isso, vamos criar uma nova Tabela de partição MBR no dispositivo utilizando o cfdisk, execute:

sudo cfdisk /dev/sdX

 Aparecerá uma tela semelhante a esta abaixo, selecione a opção dos e tecle Enter:

Selecionando uma nova tabela de partição com o cfdisk

 Após, com a tecla direcional da direita, selecione a opção "Gravar", como destacado na imagem abaixo, e pressione Enter:

Selecione "Gravar" para definir a nova tabela de partição no pen drive

 Confirme as alterações digitando sim e em seguida, tecle Enter::

Confirme as alterações escrevendo "sim" (sem aspas)

 Logo após, crie uma nova partição no pen drive; com a tecla direcional da esquerda, selecione a opção "Nova" e tecle Enter, como mostrado na imagem abaixo:

Criando uma nova partição no dispositivo

 Na etapa seguinte basta pressionar Enter para definir o Tamanho da partição, que, neste caso, vamos utilizar todo o espaço livre no pen drive:

Selecione o tamanho dessa partição apenas pressionando "Enter"

 Em seguida, escolha a opção "Primária" e tecle Enter:

Defina esta partição como primária

 Com as teclas direcionais, selecione a opção "Tipo" para definir o Tipo da partição, como mostrado na imagem abaixo, e pressione Enter:

Defina o tipo para esta nova partição

 Com a tecla direcional para baixo, selecione o tipo de partição "FAT32 W95 (LBA)" e após, tecle Enter:

Escolha a opção "FAT32 W95 (LBA)" e tecle "Enter"

 Defina a partição inicializável selecionando a opção "Iniciali." e pressione Enter:

Marque a partição como inicializável

 Selecione a opção "Gravar" com a tecla direcional da direita e pressione Enter:

Selecione "Gravar" para salvar as alterações realizadas

 Digite sim para confirmar as alterações realizadas e pressione Enter:

Escreva "sim" (sem aspas) para confirmar as alterações

 E por fim, selecione a opção "Sair" para (obviamente) sair do cfdisk:

E saia do cfdisk selecionando a opção "Sair"

 Feito isso, ainda no terminal, desmonte a partição do seu pen drive (caso esteja montada) com:

sudo umount /dev/sdX1

 Formate a partição criada anteriormente em FAT32 com o comando abaixo (troque o "X" pela letra que corresponde ao seu dispositivo):

sudo mkfs.vfat -F32 /dev/sdX1

 Crie a pasta ISO-WIN em /media para montar a ISO do Windows:

sudo mkdir /media/ISO-WIN

 E também a pasta PEN-DRIVE em /media, onde vamos montar o pen drive:

sudo mkdir /media/PEN-DRIVE

 Monte a ISO do Windows no diretório ISO-WIN com o comando:

sudo mount -o loop '/pasta/onde/está/a/imagem.iso' /media/ISO-WIN/

 No meu caso, como a ISO do Windows 10 está na pasta "Downloads", o comando ficou assim:

### EXEMPLO DE COMO FICOU O COMANDO NO MEU CASO ###
sudo mount -o loop '/home/sandro/Downloads/Win10_1607_BrazilianPortuguese_x64.iso' /media/ISO-WIN/

 Monte o pen drive com o comando:

sudo mount /dev/sdX1 /media/PEN-DRIVE/

 E logo após, execute o comando abaixo para copiar todos os arquivos da ISO do Windows que foi montada na pasta ISO-WIN para a pasta PEN-DRIVE (onde o seu pen drive está montado):

sudo cp -v -r /media/ISO-WIN/* /media/PEN-DRIVE/ && sync

 Esse processo leva em torno de 5 a 10 minutos (ou mais) para concluir e poderá "travar" o seu PC em alguns momentos, mas somente nos primeiros minutos. Vá até a cozinha e tome um café enquanto isso! :)






 Assim que o processo terminar, execute um dos comandos abaixo, de acordo com sua distribuição, para instalar o GRUB no pen drive (lembrando mais uma vez que você deve substituir o "X" pela letra que corresponde ao seu dispositivo):

- No openSUSE, Fedora e sistemas derivados:

sudo grub2-install --target=i386-pc --boot-directory=/media/PEN-DRIVE/boot /dev/sdX

- No Debian, Ubuntu e sistemas derivados:

sudo grub-install --target=i386-pc --boot-directory=/media/PEN-DRIVE/boot /dev/sdX

 E após, adicione o arquivo de configuração do GRUB que fará com que o Windows dê boot, copie e cole todo o conteúdo abaixo e pressione Enter em seguida:

- No openSUSE, Fedora e sistemas derivados:

sudo tee /media/PEN-DRIVE/boot/grub2/grub.cfg <<EOT
set menu_color_normal=white/black
set menu_color_highlight=black/light-gray
menuentry 'Iniciar a instalacao do Windows' {
 ntldr /bootmgr
}

menuentry 'Iniciar a partir do disco rigido' {
    insmod ntfs
    insmod chain
    insmod part_msdos
    insmod part_gpt
    set root=(hd1)
    chainloader +1
}
EOT

- No Debian, Ubuntu e sistemas derivados:

sudo tee /media/PEN-DRIVE/boot/grub/grub.cfg <<EOT
set menu_color_normal=white/black
set menu_color_highlight=black/light-gray
menuentry 'Iniciar a instalacao do Windows' {
 ntldr /bootmgr
}

menuentry 'Iniciar a partir do disco rigido' {
    insmod ntfs
    insmod chain
    insmod part_msdos
    insmod part_gpt
    set root=(hd1)
    chainloader +1
}
EOT

 Tudo pronto! Execute o comando abaixo para desmontar a imagem ISO do Windows:

sudo umount /media/ISO-WIN

 Desmonte também o seu pen drive:

sudo umount /media/PEN-DRIVE

 Remova a pasta onde a ISO estava montada:

sudo rm -r /media/ISO-WIN/

 E também a pasta onde o pen drive estava montado:

sudo rm -r /media/PEN-DRIVE/

 Agora é só salvar os seus trabalhos, reiniciar o seu computador e dar boot pelo pen drive de instalação do Windows!

OBS.: Talvez seja necessário configurar o seu computador para dar boot pelo pen drive, assista o vídeo abaixo, do canal Sayro Digital, que explica esse processo:




Como formatar o pen drive bootável após utilizá-lo (utilizando o terminal)


 Já instalou o Windows e deseja voltar a utilizar normalmente para guardar os seus arquivos? Então basta acessar a nossa dica abaixo, que mostra como formatar o pen drive pelo Linux:

  http://www.blogopcaolinux.com.br/2016/08/como-formatar-um-pen-drive-pelo-terminal-linux.html


 Então é isso, espero que este tutorial seja útil para você! Caso tenha alguma dúvida, sugestão ou crítica, basta deixar o seu comentário logo abaixo (utilizando o Disqus, sua conta do Google/Blogger ou o sistema de comentários do Facebook), ou se preferir, entre em contato conosco!

 Aproveite e cadastre-se para receber todas as novidades do Blog Opção Linux no seu e-mail, ou siga-nos no Google+, no Twitter ou na nossa página no Facebook! :)

 Muito obrigado pela visita e até o próximo tutorial!


Referências:



    Este artigo está dividido em duas páginas, acesse a página anterior clicando no número 1 logo abaixo, ok?!
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Instalando extensões no GNOME Shell pelo Google Chrome, Opera ou Vivaldi

 Amado por muitos e odiado por outros, o GNOME 3 é um dos ambientes de área de trabalho mais utilizado pelos usuários Linux atualmente, além de ser o desktop padrão de grandes distribuições, como é o caso do Fedora e do Debian.

 Apesar de não ser um ambiente totalmente personalizável como, por exemplo, o KDE e Xfce, o GNOME conta com várias extensões (semelhante às do Firefox e Google Chrome) que adicionam novas funcionalidades ao GNOME Shell. Estas extensões podem ser instaladas facilmente pelo site extensions.gnome.org utilizando o GNOME Web (Epiphany) ou o Mozilla Firefox, que vem instalado por padrão na maioria das distros.
 Porém, como nem todas as pessoas utilizam ou gostam de utilizar o Epiphany ou o Firefox como navegador padrão, ter que abrir um desses navegadores toda vez que quiser instalar/desativar ou atualizar uma extensão não é nada prático. Nesta dica, você vai aprender a instalar extensões no GNOME Shell através do Google Chrome, Opera ou Vivaldi.

Testado no openSUSE Tumbleweed, Fedora 25 Workstation e Ubuntu GNOME 16.04.
Não é possível instalar o conector nativo no openSUSE Leap 42.1 e 42.2, já que é necessário ter instalado o GNOME 3.22 ou superior no sistema.
Esta dica foi enviada pelo nosso leitor Tiago Molina - @Molinex.

 A primeira coisa a se fazer é instalar o "conector nativo" (chrome-gnome-shell, que faz a integração entre o GNOME Shell e as extensões disponíveis no site oficial) através do gerenciador de pacotes da sua distribuição.

 Para instalá-lo no Ubuntu e no Debian 9 "Stretch" (com interface GNOME), abra um terminal e execute:

sudo apt-get install chrome-gnome-shell


 No Fedora Workstation, você deverá adicionar o repositório Copr "region51/chrome-gnome-shell" no sistema:

sudo dnf copr enable region51/chrome-gnome-shell

 Importe a chave de assinatura do repositório:

sudo rpm --import https://copr-be.cloud.fedoraproject.org/results/region51/chrome-gnome-shell/pubkey.gpg

 E em seguida, instale o pacote com:

sudo dnf install chrome-gnome-shell


 No openSUSE Tumbleweed, basta instalar o pacote "chrome-gnome-shell" com o comando:

sudo zypper in chrome-gnome-shell

 Já que o mesmo está disponível no repositório oficial.


 Para instalar em outras distribuições, acesse:

  https://wiki.gnome.org/Projects/GnomeShellIntegrationForChrome/Installation






 Com o conector nativo instalado no sistema, acesse a Loja de Aplicativos / Complementos do seu navegador e instale a extensão "GNOME Shell Integration".
 No Google Chrome/Chromium e Vivaldi, acesse:

  https://chrome.google.com/webstore/detail/gnome-shell-integration/gphhapmejobijbbhgpjhcjognlahblep

 Se utiliza o Opera, acesse o link abaixo e faça a instalação da mesma:

  https://addons.opera.com/pt-br/extensions/details/gnome-shell-integration/


 Logo após, reinicie o seu navegador e acesse o site extensions.gnome.org para instalar extensões no GNOME Shell através do Google Chrome:

Gerenciando extensões do GNOME Shell através do Google Chrome no Ubuntu

 Do Vivaldi:

Gerenciando extensões do GNOME Shell através do Vivaldi no openSUSE Tumbleweed

 Ou através do Opera:

Gerenciando extensões do GNOME Shell através do Opera no Fedora Workstation


 Simples, não é?! :)


 Tem alguma dúvida, sugestão ou crítica a respeito deste tutorial? Então deixe o seu comentário logo abaixo (utilizando o Disqus, sua conta do Google/Blogger ou o sistema de comentários do Facebook)!

 Aproveite e cadastre-se para receber todas as novidades do Blog Opção Linux no seu e-mail, ou siga-nos no Google+, no Twitter ou na nossa página no Facebook!

    E você, gostaria de compartilhar alguma dica aqui no Blog Opção Linux? Então entre em contato conosco!

Referência:

Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Lançado o Firefox 52.0!

 A Mozilla anunciou ontem, dia 7 de março de 2017, a disponibilidade da versão estável mais recente do seu navegador, o Firefox 52.0, que também é a mais nova versão ESR (Extended Support Release), com suporte até março/abril de 2018.
Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Instalando o IRPF 2017 no Linux manualmente

Aprenda a instalar o programa para fazer a declaração do Imposto de Renda 2017 (IRPF 2017) no Linux.

 Chegou a hora de acertar as contas com a Receita Federal, pois começou ontem, dia 2 de março, e vai até o dia 28 de abril, o prazo de entrega da declaração do Imposto de Renda 2017, referente ao ano-base 2016.

 Se você teve renda superior a R$28.559,70 ou tenha recebido rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$40.000,00 em 2016, terá que prestar contas à Receita.
 Clique no botão abaixo para conferir o documento PDF da Receita Federal com as perguntas e respostas referentes ao IRPF 2017, incluindo quem está obrigado a apresentar a Declaração de Ajuste Anual deste ano:

IRPF 2017 - Perguntas e Respostas

 Precisa fazer a declaração do Imposto de Renda e utiliza Linux? Confira então como fazer a instalação do IRPF 2017, utilizando a versão multiplataforma do programa. Mas antes, você deverá instalar o OpenJDK ou o Java da Oracle no sistema.

 Como o OpenJDK está presente nos repositórios oficiais das principais distribuições Linux, basta abrir um terminal e executar um simples comando:

- No openSUSE e sistemas derivados:

sudo zypper in java-1_8_0-openjdk

- No Fedora e derivados:

sudo dnf install java-1.8.0-openjdk

- No Debian, Ubuntu e sistemas derivados:

sudo apt-get install openjdk-8-jre


  Já para instalar o Oracle Java no seu sistema, confira um dos nossos tutoriais abaixo, de acordo com sua distribuição Linux:

- Oracle Java (JRE) no openSUSE:

  http://www.blogopcaolinux.com.br/2016/04/Instalando-o-Oracle-Java-JRE-no-openSUSE.html

- Oracle Java (JRE) no Fedora:

  http://www.blogopcaolinux.com.br/2016/09/instalando-oracle-java-jre-no-fedora.html

 - Oracle Java (JRE) no Ubuntu:

  http://www.blogopcaolinux.com.br/2016/06/instalando-java-jre-oracle-no-ubuntu-manualmente.html

      ---   ATENÇÃO   ---      

Caso tenha instalado o OpenJDK e está enfrentando problemas ao executar o IRPF 2017, faça a instalação do Oracle Java no seu sistema, ok?


Instalando o IRPF 2017 no Linux


 Com o OpenJDK ou o Oracle Java instalado no sistema, vamos então à instalação do IRPF 2017. Você tem duas opções para baixar o Programa Gerador da Declaração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física:

- Utilizando o terminal, execute o comando abaixo para fazer o download do IRPF 2017 diretamente na sua pasta "Downloads":

wget -c -P /home/$USER/Downloads http://downloadirpf.receita.fazenda.gov.br/irpf/2017/irpf/arquivos/IRPF2017-1.0.zip

- Ou acessando o site da Receita Federal:

  http://idg.receita.fazenda.gov.br/interface/cidadao/irpf/2017/download/multiplataforma-zip

 E clique em "Programa IRPF 2017" para fazer o download do mesmo, como mostrado na imagem abaixo:

http://idg.receita.fazenda.gov.br/interface/cidadao/irpf/2017/download/multiplataforma-zip

 Após baixar, "entre" na pasta onde baixou o pacote (no caso a pasta "Downloads") digitando (num terminal):

cd /home/$USER/Downloads

 Extraia o pacote "zipado" com:

unzip IRPF*.zip

 Renomeie o a pasta resultante da extração para "IRPF":

mv IRPF*/ IRPF

 E mova para a pasta "/opt" com:

sudo mv IRPF/ /opt

 Com isso, você poderá executá-lo diretamente pelo terminal com o comando:

java -jar /opt/IRPF/irpf.jar

 Ou, se preferir, crie um atalho para o mesmo. Para isso, execute os comandos abaixo (um por vez) para extrair o ícone a ser utilizado:

sudo cp /opt/IRPF/irpf.jar /opt/IRPF/irpf.zip
sudo unzip -d /opt/IRPF/ /opt/IRPF/irpf.zip icones/RFB.png

 Em seguida, execute o comando abaixo para criar o atalho na sua pasta pessoal:

nano /home/$USER/.local/share/applications/irpf-2017.desktop

      ---   ATENÇÃO   ---      

Neste exemplo estou utilizando o nano, mas, caso queira, poderá utilizar outro editor de textos "puro" em modo gráfico, como o Gedit, Kwrite ou Leafpad, basta apenas substituir o "nano" do comando acima pelo nome do seu editor preferido, por exemplo:

### Utilizando o Gedit ao invés do nano para criar o atalho
gedit /home/$USER/.local/share/applications/irpf-2017.desktop

Ok?!

 Copie e cole todo o conteúdo abaixo no seu editor de texto:

[Desktop Entry]
Encoding=UTF-8
Version=1.0
Name=IRPF 2017
Comment=IRPF 2017                                                 
Exec=sh -c "java -jar /opt/IRPF/irpf.jar"
Type=Application
Icon=/opt/IRPF/icones/RFB.png
Terminal=false

 E salve o arquivo. Caso esteja utilizando o nano, tecle Ctrl + o para salvar o arquivo, pressione Enter para confirmar e Ctrl + x para sair.

 Dê permissão de execução ao arquivo com:

chmod +x /home/$USER/.local/share/applications/irpf-2017.desktop

 E após, é só procurar pelo atalho "IRPF 2017" no seu menu de aplicativos para abrir o programa:

IRPF 2017 executando no openSUSE Tumbleweed com o OpenJDK 8


Removendo o IRPF 2017


 Para remover o IRPF do sistema é bem simples, abra um terminal e execute os comandos abaixo:

rm -rf /home/$USER/.local/share/applications/irpf-2017.desktop
* Removendo o atalho criado;

sudo rm -rf /opt/IRPF/
* Removendo a pasta de instalação do IRPF.

 E só!


 Caso tenha alguma dúvida, sugestão ou crítica a respeito deste tutorial, basta deixar o seu comentário logo abaixo (se não aparecer a sessão de comentários do Disqus, recarregue a página), ou se preferir, entre em contato conosco!

 Aproveite e cadastre-se para receber todas as novidades do blog Opção Linux no seu e-mail, ou siga-nos no Google+, no Twitter ou na nossa página no Facebook! :)

 Muito obrigado pela visita e até o próximo tutorial!


Referências:


Sua fonte de informação sobre Linux, com notícias, tutoriais e dicas de fácil entendimento para usuários do openSUSE, Fedora, Debian e Ubuntu!
Instalando o Oracle JDK no openSUSE Leap e openSUSE Tumbleweed

Aprenda, nesta dica, a instalar manualmente o Oracle Java Development Kit no openSUSE Leap e no openSUSE Tumbleweed.

 Java é uma linguagem de programação multiplataforma orientada a objetos, desenvolvida na década de 90 por James Gosling, na Sun Microsystems (adquirida pela Oracle em 2009). Diferente das linguagens de programação convencionais (que são compiladas para código nativo), a linguagem Java é compilada para um bytecode que é executado por uma máquina virtual. A linguagem de programação Java é a linguagem convencional da Plataforma Java, mas não é a sua única linguagem.

 O openSUSE disponibiliza nos repositórios oficiais (assim como as principais distribuições Linux) o OpenJDK, que é um Java Development Kit de código aberto baseado totalmente em software livre, incluindo também um plugin para navegadores, o IcedTea Web. O OpenJDK atende às necessidades da maioria dos usuários, mas caso queira utilizar o Oracle JDK (proprietário) no openSUSE, nesta dica você vai aprender a instalá-lo passo a passo, utilizando o pacote tar.gz.

 O Oracle Java Development Kit (JDK) é um ambiente de desenvolvimento para a construção de aplicações, applets e componentes utilizando a linguagem de programação Java. O JDK inclui o Java Runtime Environment, o compilador Java e as APIs Java.

 Para saber mais sobre o Java acesse:

  https://www.java.com/pt_BR/about/

  https://www.java.com/pt_BR/download/faq/develop.xml

   Procedimentos testados no openSUSE Tumbleweed (32 e 64 bits) e no openSUSE Leap (64 bits).
   Tecle uname -m no terminal para verificar se o seu sistema é de 64 bits (x86_64) ou 32 bits (i686), ok?!

 Chega de enrolação e vamos à instalação!


Instalando a versão mais recente do Oracle Java (JDK) no openSUSE


 Apesar da instalação do Oracle JDK no openSUSE, recomendo que NÃO REMOVA o OpenJDK do sistema (que, provavelmente, já está instalado), evitando assim problemas de dependências de pacotes.
 O único pacote que você deverá remover do sistema antes de instalar o JDK é o plugin IcedTea Web, do contrário, uma das etapas abaixo irá falhar. Para removê-lo, basta executar:

sudo zypper rm java-*-openjdk-plugin

 Feito isso, faça o download da última versão do Oracle JDK no site oficial, acesse:


 Clique em "Accept License Agreement" (Aceitar o Contrato de Licença) e após, faça o download do pacote jdk-[versão]-linux-x64.tar.gz (caso utilize a versão de 64 bits do openSUSE) ou o pacote jdk-[versão]-linux-i586.tar.gz (para o openSUSE de 32 bits), conforme mostrado na imagem abaixo:

Página de download do Oracle Java SE Development Kit (JDK)

 Após baixar o pacote, abra um terminal e acesse a pasta onde está o JDK; por exemplo, caso ele esteja na pasta "Downloads", basta digitar:

cd /home/$USER/Downloads

 Em seguida, extraia-o com o comando:

tar xvzf jdk-*.tar.gz

 Renomeie a pasta que resultou da extração para "jdk-oracle" (para facilitar os passos seguintes):

mv jdk*/ jdk-oracle

 Mova a pasta criada para o diretório "/usr/lib":

sudo mv jdk-oracle/ /usr/lib

 Feito isso, informe ao sistema onde o Oracle Java está localizado com os comandos abaixo (um por vez):

sudo update-alternatives --install "/usr/bin/java" "java" "/usr/lib/jdk-oracle/bin/java" 3
sudo update-alternatives --install "/usr/bin/javac" "javac" "/usr/lib/jdk-oracle/bin/javac" 3
sudo update-alternatives --install "/usr/bin/jar" "jar" "/usr/lib/jdk-oracle/bin/jar" 3
sudo update-alternatives --install "/usr/bin/javaws" "javaws" "/usr/lib/jdk-oracle/bin/javaws" 3

 E defina-o como padrão executando os comandos (um por vez):

sudo update-alternatives --set java /usr/lib/jdk-oracle/bin/java
sudo update-alternatives --set javac /usr/lib/jdk-oracle/bin/javac
sudo update-alternatives --set jar /usr/lib/jdk-oracle/bin/jar
sudo update-alternatives --set javaws /usr/lib/jdk-oracle/bin/javaws


      ---   DICA   ---      

Caso queira, poderá utilizar os comandos:

sudo update-alternatives --config java
sudo update-alternatives --config javac
sudo update-alternatives --config jar
sudo update-alternatives --config javaws

Para definir manualmente os principais componentes do Java a serem utilizados no sistema (por exemplo, alternar entre o Java proprietário e o OpenJDK), basta informar o número correspondente à versão desejada e pressionar Enter, ok?!


 Configure também as variáveis do ambiente (a nível global) editando o arquivo /etc/profile. Para isso, você poderá utilizar qualquer editor de textos "puro" em modo gráfico, como o Gedit, Kwrite e Leafpad, ou pelo terminal, utilizando o Vim ou o nano. Para essa simples edição utilizarei o nano, caso também queira usá-lo, instale-o no openSUSE digitando:

sudo zypper in nano nano-lang

 Com o nano instalado, execute:

sudo nano /etc/profile

 Pressione a tecla direcional para baixo para chegar ao FINAL DO ARQUIVO e em seguida, adicione o conteúdo abaixo no mesmo:

JAVA_HOME=/usr/lib/jdk-oracle
PATH=$PATH:$HOME/bin:$JAVA_HOME/bin
export JAVA_HOME
export PATH

 Veja como ficou o meu arquivo "profile" após a edição:

Arquivo /etc/profile editado com as variáveis do ambiente

 Tecle Ctrl + o para salvar o arquivo, pressione Enter para confirmar e Ctrl + x para sair do editor nano.
 Após, execute o comando:

su -c 'source /etc/profile'

 Para que as alterações tenham efeito imediatamente ou se preferir, reinicie o sistema.

 Por último, verifique se o Java foi instalado corretamente, execute:

java -version

 E se seguiu corretamente os passos acima, a saída será semelhante a esta abaixo:

### Verificando versão do Java
sandro@linux-8u5w:~> java -version
java version "1.8.0_121"
Java(TM) SE Runtime Environment (build 1.8.0_121-b13)
Java HotSpot(TM) 64-Bit Server VM (build 25.121-b13, mixed mode)
sandro@linux-8u5w:~>







Habilitando o plugin Java no Mozilla Firefox


      ---   ATENÇÃO   ---      

Procedimento válido apenas para o Mozilla Firefox 51 e versões anteriores, já que a partir da versão 52 encerra-se o suporte a plugins NPAPI, o que inclui o Java.

 Se necessário, execute os comandos abaixo para instalar e definir como padrão o plugin Java para navegadores (Firefox), de acordo com a arquitetura do openSUSE:

  Se o seu sistema for de 64 bits, instale-o executando:

sudo update-alternatives --install "/usr/lib64/browser-plugins/libjavaplugin.so" "javaplugin" "/usr/lib/jdk-oracle/jre/lib/amd64/libnpjp2.so" 3

 E defina-o como padrão com:

sudo update-alternatives --set javaplugin /usr/lib/jdk-oracle/jre/lib/amd64/libnpjp2.so


  Já se for de 32 bits, instale o plugin Java com:

sudo update-alternatives --install "/usr/lib/browser-plugins/libjavaplugin.so" "javaplugin" "/usr/lib/jdk-oracle/jre/lib/i386/libnpjp2.so" 3

 E defina-o como padrão:

sudo update-alternatives --set javaplugin /usr/lib/jdk-oracle/jre/lib/i386/libnpjp2.so

      ---   DICA   ---      

Se não tivesse desinstalado o plugin IcedTea Web do sistema (como foi pedido acima), você poderia utilizar o comando abaixo:

sudo update-alternatives --config javaplugin

Para definir manualmente a versão do plugin Java a ser utilizada no navegador (alternando entre o plugin Java da Oracle e o plugin do OpenJDK), com isso, bastaria informar o número correspondente à versão desejada e pressionar Enter, ok?!


 Em seguida, verifique se o plugin Java foi instalado corretamente, abra o Mozilla Firefox e acesse o site:

  https://java.com/pt_BR/download/installed8.jsp

 Clique no botão "Verificar versão do Java":

Verificar a versão do Java instalada

 Na tela seguinte clique em "Ativar o Java"; provavelmente aparecerá uma janela janela de diálogo do Firefox pedindo sua autorização para executar o Java, clique em "Allow Now" (ou Permitir agora), conforme mostrado na imagem abaixo:

Permita a execução do plugin clicando em "Permitir agora"

 Em seguida, clique em "Executar":

Na janela de diálogo, clique em "Executar"

 Pronto! O plugin Java foi instalado e está funcionando perfeitamente no Firefox!

O plugin Java foi instalado com sucesso!


Criando um atalho para o Java Control Panel


 Vamos agora criar um atalho para o Painel de Controle do Java, copie e cole o conteúdo abaixo no terminal e pressione Enter em seguida:

sudo tee /usr/share/applications/java-control.desktop <<ATALHO
[Desktop Entry]
Encoding=UTF-8
Name=Java
Comment=Java Control Panel
Exec=sh '/usr/lib/jdk-oracle/bin/jcontrol'
Icon=/usr/lib/jdk-oracle/jre/lib/desktop/icons/hicolor/48x48/apps/sun-jcontrol.png
Terminal=false
Type=Application
Categories=Application;Settings;Java;X-Red-Hat-Base;X-Ximian-Settings;
ATALHO

 Feito isso, procure pelo atalho "Java" criado anteriormente no menu de aplicativos para abrir o Java Control Panel:

Painel de Controle do Java


Atualizando o JDK no openSUSE


 Para atualizar o JDK é bem simples, primeiro, baixe a versão mais recente do Oracle JDK (de acordo com a arquitetura do seu sistema) em:

  http://www.oracle.com/technetwork/java/javase/downloads/jdk8-downloads-2133151.html

 Depois, abra o terminal e remova a versão antiga do sistema executando:

sudo rm -rf /usr/lib/jdk-oracle/

 E repita os passos (como dito anteriormente):

cd /home/$USER/Downloads
* Entre na pasta onde baixou o pacote, no caso, a pasta "Downloads";

tar xvzf jdk-*.tar.gz
* Extraia o pacote;

mv jdk*/ jdk-oracle
* Renomeie a pasta;

sudo mv jdk-oracle/ /usr/lib
* E mova para a pasta "/usr/lib".

 E só!


Removendo o Oracle JDK do sistema


 Caso queira desinstalar o Oracle JDK do sistema, basta executar os comandos abaixo:

 - Removendo o JDK e seus principais componentes do sistema (um comando por vez):

sudo update-alternatives --remove java /usr/lib/jdk-oracle/bin/java
sudo update-alternatives --remove javac /usr/lib/jdk-oracle/bin/javac
sudo update-alternatives --remove jar /usr/lib/jdk-oracle/bin/jar
sudo update-alternatives --remove javaws /usr/lib/jdk-oracle/bin/javaws

 - Remova as variáveis do ambiente que havia adicionado no arquivo /etc/profile, tecle:

sudo nano /etc/profile

 E atenção, APAGUE APENAS estas linhas que estão no final dele:

JAVA_HOME=/usr/lib/jdk-oracle
PATH=$PATH:$HOME/bin:$JAVA_HOME/bin
export JAVA_HOME
export PATH

 Salve o arquivo teclando Ctrl + o, pressione Enter para confirmar e tecle Ctrl + x para sair.


 - Removendo o plugin Java (caso tenha instalado):

  Se utiliza o openSUSE de 64 bits:

sudo update-alternatives --remove javaplugin /usr/lib/jdk-oracle/lib/amd64/libnpjp2.so

  Se utiliza o openSUSE de 32 bits:

sudo update-alternatives --remove javaplugin /usr/lib/jdk-oracle/lib/i386/libnpjp2.so

 - Removendo o atalho criado para o Painel de Controle Java:

sudo rm -rf /usr/share/applications/java-control.desktop

 - Por último, remova a pasta onde o mesmo está instalado:

sudo rm -rf /usr/lib/jdk-oracle/

 E só!


 Espero que este tutorial seja útil para você! Caso tenha alguma dúvida, sugestão ou crítica, basta deixar o seu comentário logo abaixo (utilizando o Disqus, sua conta do Google/Blogger ou o sistema de comentários do Facebook), ou se preferir, entre em contato conosco!

 Aproveite e cadastre-se para receber todas as novidades do Blog Opção Linux no seu e-mail, ou siga-nos no Google+, no Twitter ou na nossa página no Facebook! :)

 Muito obrigado pela visita e até o próximo tutorial!


Referências: